Essa é a solução da política no Brasil!

Não existe o certo. Não existe o errado. Existe sim o que te faz feliz e o que também não faz.
Siga a verdade que te faz feliz , pois não existe “o que é”, e sim “o que é pra você”. (trecho escrito por mim por volta dos 15 anos)

Vejo muita gente reclamando de tudo, o tempo todo. Se você é de direita, se você é de esquerda. Se você é rico e artista famoso, não pode palpitar porque não sabe a dificuldade que o povo humilde enfrenta. Se você é isso, se você é aquilo.
Ninguém aqui é igual. Se foi preciso que todos nascessem, é porque é importante a sua presença aqui, a presença do rico, do pobre, do negro, do trans, do gay, do ser que adoece cedo. Foi preciso de todos nós, para um equilibro que ocasionasse em algo maior. O nosso país precisa de cada uma de nossas opiniões. A minha não é mais importante que a sua. E a sua, não é menos ou mais importante que a de alguém famoso. Eu e você não somos menos responsáveis pelo Brasil do que o governo que opera hoje.
 
Vejo muita gente dizendo por aí que estamos, literalmente, vivendo o caos.Mas vamos nos acalmar, pois para a casa ser limpa, os móveis precisam ser tirados do lugar. E quando os tiramos de seus lugares, a poeira levanta, e a sujeira aparece. Então, se estamos vendo o caos, é porque a luz foi acesa. Embora pareça que só esteja piorando, lembre-se dos cantinhos de sua casa, aqueles que você nunca olha. Arraste os móveis, e você verá sujeira. Se você nunca arrastá-los, nunca verá tamanha sujeira que se instalou em sua própria casa.É exatamente isso o que está acontecendo nesse momento em nosso país, e no mundo, nos planetas, nas galáxias, e dentro de cada um de nós. O caos está mais aparente porque a luz está mais forte. E isso não pode ser ruim, certo? Escolhemos viver nesse momento, nesta era, e dessa forma, pois sabíamos que o mundo precisava de nós, exatamente como somos. O mundo precisa da gente mas, em nossa melhor versão, claro. E eu sei que estamos vivendo uma bagunça que vai marcar a nossa história.
 
Foi nos ensinado que política, futebol e religião não se discutem. Foi nos ensinado que gosto não se discute.E por acreditarmos nisso, quando alguém tinha uma opinião diferente da nossa, começava uma discussão, uma briga, ou até mesmo um sentimento ruim dentro de nós. Mesmo que não falássemos nada, e por mais que ficássemos quietos, por dentro estávamos incomodadíssimos.Não é que gosto não se discute. O problema é a forma como se discute.

Já reparei que quando estamos conversando com alguém, sempre queremos impor as nossas opiniões. Ao assumirmos que somos assim, significa que estamos nos percebendo, e quem se percebe, automaticamente evolui. Dá pra ser mais leve, sabe? Quando alguém estiver dando as suas opiniões, é claro que devemos ouvir e nos lembrar de que as opiniões daquela pessoa são baseadas na historia de vida que ela viveu. Afinal, a nossa vida é o que a gente viu por aí, sentiu, ouviu. Somos uma coleção de histórias, e não existe a certa. Quando julgamos a opinião do outro, estamos querendo dizer nas estrelinhas que somos superiores e que queremos o contrário do amor.
 
Eu sei que o que estamos vivendo em nosso país hoje é revoltante, mas é passar dos limites, por exemplo, comemorar a facada que Bolsonaro levou.Quem somos nós? Se comemoramos aquela situação, é porque a frequência que estamos enviando ao mundo é de ódio, e a gente atrai o que transmite.Então, se você age com ódio por onde passa, acaba manifestando ódio em sua própria vida. E aí se pega pensando o porque de algumas coisas não terem dado certo, ou o porque daquela pessoa ter sido tão grossa no transito com você; e você acaba se colocando no papel de vítima.Tudo o que a gente manda pro mundo, o mundo devolve pra gente, mas não de formas tão óbvias.
 
Você acredita que tem gente no Brasil vivendo no paraíso e outros no inferno? Tudo o que vivemos é manifestado por nós mesmos.Nós podemos mudar o nosso mundo mudando os nossos sentimentos, e os pensamentos que enviamos ao mundo todos os dias.Vejo tanta gente julgando alguns artistas, por exemplo, com pensamentos do tipo “a vida para eles é fácil, porque eles tem dinheiro e não sofrem como eu”.Será que você sabe o que esses artistas passaram pra chegar no sucesso deles? E você sabe se o sucesso que eles mostram é algo bom? Você sabe se eles sofrem? Sei que muitos vão dizer que eles não sofrem pois tem dinheiro pra realizarem tudo o que querem. E quem disse que ter tudo o que você quer, trás mesmo a felicidade?Será que alguém que tem facilmentetudo o que quer, é mesmo feliz? Porque por mais que quem é rico possa pagar as viagens caras, casas e carros, o essencial ninguém paga. O essencial é invisível mesmo aos olhos. O essencial é de graça. A única coisa que sabemos é o que existe dentro de nós. A única coisa real que devemos prestar atenção é o aqui, e agora.
A gente pode não se lembrar, mas tudo o que estamos vivendo foi escolhido por nós mesmos.Vivemos na cidade que escolhemos, nascemos na família que nós mesmos escolhemos para evoluirmos através de lições do dia-a-dia.Antes de virmos, escolhemos as condições sociais, as doenças que teríamos ou não que enfrentar, o corpo que seria mais útil para os aprendizados que precisaríamos viver, os dons que mais se enquadrariam nas missões escolhidas por nós mesmos, por nossa alma, a profissão certa, e até o país que melhor nos propiciaria tais aprendizados. Mas, quantas vezes a gente se revolta e quer mudar de país? Fugir do Brasil? Só não podemos esquecer que se nascemos aqui, a nossa missão é aqui.Para onde quer que a gente vá, o nosso coração está indo com a gente. Então em qualquer lugar que estivermos, nossas questões irão conosco, e assim sendo, manifestaremos a mesma vida que vivíamos em nosso país de origem, em outro país.
 
E aí percebo pessoas questionando Deus porque alguém em sua família tem câncer. É claro que como humanos, nós vemos a doença como algo tão triste. E é claro que vamos lutar para curá-la. Mas se lembrarmos que estamos vivendo experiências humanas mas somos seres espirituais, lembraremos de que tudo nessa vida é missão, então às vezes o vilão que a gente aponta o dedo pode ser um anjo disfarçado pra ajudar a quem fere, em sua missão. Ninguém aqui é vítima. Somos todos responsáveis pelo que esta acontecendo em nossas vidas.Não vamos ajudar em nada com críticas pesadas, com palavras e manifestações de ódio.Às vezes, uma oração em sua casa, sem ninguém ouvir, é muito mais válida do que perder o seu tempo dando uma lição de moral por aí em alguém. Não subestime a força de uma oração, de uma meditação. Você pode parar um tsunami dependendo da força da sua fé.E se tiver dúvidas se deve se manifestar ou não, pense assim: O que vou fazer ou dizer terá algum efeito positivo? Vai espalhar mais amor? Qual a minha intenção em querer dizer ou fazer isso?
 
E se parássemos pra observar mais? Todos nós pensamos demais, sentimos demais, e temos histórias demais, e até dificuldades enfrentadas silenciosamente que ninguém imagina.Se sabemos disso, não seria então mais inteligente de nossa parte respeitarmos as opiniões contrárias as nossas?O Brasil não vai mudar apenas se tiver um governo excelente. Não é de fora pra dentro. É de dentro pra fora. Depende da gente. Nós somos os governantes desse país e a parada dos caminhoneiros aconteceu pra nos mostrar isso.Aliás, o governo é um reflexo do que nós somos. Então, é mais do que normal que não esteja bom externamente, se dentro de nós não estiver tudo bem.

Todos nós passamos por traumas, e feridas que até hoje estamos tentando curar. Todos nós já fomos traídos por alguém, já fizemos algo de ruim um dia, já ignoramos alguém que precisava tanto da gente. E, é exatamente por tudo isso que a gente se protege do outro, por medo de ser ferido. Mas essa proteção quase sempre acaba sendo em ataque ao outro.A gente ataca porque sente dor. Espiritualmente falando, estamos num momento em que podemos escolher a nossa realidade. E a gente não precisa mais sentir dor.O que você quer?Um país honrável? Um país de mais amor?Então sejamos mais amor em nosso dia-a-dia, tenhamos mais paciência com as pessoas ao nosso redor, sejamos mais tolerantes com nós mesmos, sejamos mais pontuais com as pessoas, porque tudo isso é respeito. Afinal, todas as pessoas que a gente encontra na vida estão enfrentando uma batalha que você não sabe nada a respeito. Seja gentil com todo mundo sempre. Mesmo que alguém não te pareça honrável. Não temos o direito de julgar. Não sabemos o todo.
 
E não é porque você tem respeito pelo próximo, paciência, tolerância e amor, que só vai encontrar pessoas como você.Quando encontrar alguém espalhando ódio, é aí que você entra e faz a diferença. Seja amor, e perceba os milagres acontecendo.Às vezes, você pode até levar patadas por aí. Não espere receber em troca algo bom. Faça mesmo de coração e deixe as coisas acontecerem por si só.Tenha a certeza de que tudo o que você manifestar, voltará para você; mas nem sempre daquela mesmo pessoa ou situação.Quando pedimos mais coragem, o Universo nos envia situações que nos trazem medo, para aprendermos a lidar com a coragem. Quando aprendi isso, parei de pedir por coragem, e comecei a agradecer apenas.Quando pedimos mais amor, o Universo no coloca em situações para que possamos aprender a ser mais amor.
 
Esses dias fui caminhar com as minhas duas cachorrinhas e com a minha namorada num parque perto de casa que sempre vou, e parecia um dia comum, quando de repente um Rottweiler veio pra cima de nós com a intenção de nos atacar.
Quando essas coisas acontecem, nunca estamos preparados, né?Meu coração acelerou, fiquei desesperada, não sabia se corria, se soltava as minhas cachorras, se ficava parada e mantinha a calma.Mas, nessas horas os pensamentos são rápidos e a única coisa que a gente consegue fazer é reagir sem pensar.E foi o que fiz. Saí correndo com minhas duas cachorras e minha namorada. E quando olhei longe, vi a dona daquele cachorro.É claro que a vontade era dar uma lição de moral naquela mulher, e dizer a ela que uma raça como essa jamais deveria estar solta por aí. E se tivesse uma criança brincando ali?Mas, antes que minha boca falasse, um anjo soprou em meu ouvido, e meu coração acalmou. Entrei em meu carro, e segui minha vida.Eu poderia ter espalhado mais ódio diante de tanto caos, mas não seriam as minhas palavras que mostrariam o certo para aquela mulher. A vida vai mostrar pra ela. Ou a mim, seja lá o que for.Um coisa é certa: Se aquela cena aconteceu comigo, é porque tinha de ser exatamente assim pra algum aprendizado.
Não temos como adivinhar se o aprendizado era meu ou dela, afinal não somos nós quem validamos isso, mas sei que marcou pra todos que lá estavam.Eu saí tremendo. A gente sempre pensa no pior. Eu podia ter perdido minhas cachorrinhas, minha namorada ou meu braço. Mas estou aqui viva pra contar essa história pra vocês.A gente pede mais amor, e a vida trás algumas dessas cenas pra manifestarmos mais amor.Tudo o que nos acontece tem algum significado. É importante prestarmos atenção nos sinais. Às vezes, eles não são claros, mas se te fizeram sentir algo, é importante.
 
Quando despertarmos e nos lembrarmos de que não é sobre em quem você vota e sim sobre o amor que você transmite aonde quer que você esteja, aí sim as coisas vão começar a ser diferentes. E acreditem, já começou.Muitos já despertaram, e todos os dias milhares de pessoas despertam e percebem que nós somos responsáveis.Ninguém está aqui apenas para trabalhar muito, ganhar muito dinheiro e usufruir.A vida é muito mais que isso.

Se divertir no amor e com boas intenções é a frequência mais alta que podemos enviar ao Universo. Não é sobre ter. É simplesmente sobre ser.Quem você é? E o que você está fazendo todos os dias para ser alguém melhor?Não precisa de muito. Um sorriso pode desarmar uma guerra.
 
BRUNA PINHEIRO
Desde pequena eu brinco que a vida é um jogo de tabuleiro. Acho que assisti muito um filme da Alice do País das Maravilhas da época (anos 80) em que tinha um jogo de xadrez e os personagens estavam na perspectiva dos peões. Só conseguiam ver a jogada em que estavam, sem imaginar a posição das outras peças, ou do todo; e trouxe essa metáfora para minha vida. O que estou querendo dizer é que da perspectiva que estamos enxergando nossas vidas, vemos só parte do todo. E reagimos à nossa realidade de acordo com o que enxergamos, o que muitas vezes,não é o real. Se saírmos com pressa, tropeçarmos no sofá, pegarmos trânsito e chegarmos tarde ao nosso compromisso, provavelmente passaremos o dia, a semana ou o mês remoendo a sequência de fatos “trágicos”, sem perceber que talvez um anjo tenha nos feito trombar na saída de casa e feito nos atrasar, porque ao invés de sairmos às 7:50, sairíamos de casa às 8:05, e passaríamos no farol de um determinado cruzamento às 8:20, ao invés de 15 minutos antes, quando um ônibus desgovernado atravessou o cruzamento sem freio e poderia ter vindo diretamente de encontro ao nosso carro. Aquele atraso, poderia ter sido fatídico, e no entanto, o ser humano controlador e resmungão, só consegue dar atenção ao que enxerga bem diante de sua frente.
 
Quantas foram as vezes que ouvimos que precisamos ser gratos até mesmo antes de nossas conquistas? Nossa mente é muito poderosa, e podemos simplesmente projetar nossa realidade de acordo com o que pensamos, sentimos, acreditamos. Sermos gratos, é termos fé de que algo maior está olhando por cima deste tabuleiro de nossas vidas, e antecipando cenários maiores ao nosso favor, e que muitas vezes não podemos entender ou enxergar. Sejamos gratos. Simplesmente ao mudarmos a freqüência de nossas vidas de um “estou exausta hoje” para um “já tive dias melhores”, você conseguirá energia remanescente para se entusiasmar com o restante de seu dia, ou simplesmente para conseguir descansar e relaxar. A ansiedade e a negatividade trabalham juntas num cenário que não é real, e que projetamos para nos tirar do momento presente. Estar ansiosa é estar pensando em tudo o que poderia estar fazendo, e não se concentrar no que de fato precisa realizar no aqui e agora. E a negatividade só nos joga para baixo, cada vez mais. Não é ao outro que você está ferindo ao criticar o próximo, mas a você mesmo. Ao xingar na política, você não está convencendo o outro de que sua opinião é melhor. Mas simplesmente criando um ambiente hostil e de inimizade em seu círculo íntimo. Às vezes vale mais a pena sermos felizes, a querermos sempre ter razão. Até porque não existem verdades absolutas e as tentativas de nos igualarmos a Deus, só nos trarão mais sofrimento. 
 
Qual é a sua reação emocional quando alguém é arrogante com você? Ou quando é ignorado por alguém quando lhe faz uma pergunta? Ou até quando alguém fura a fila na sua frente? Muitas pessoas têm um ataque imediato de irritação ou raiva. Isso são ancoras negativas comuns, ou gatilhos para a raiva. Como essas âncoras negativas são pontos criticamente importantes para nossa felicidade, não precisamos de nada para que quando elas aconteçam, nosso humor ir imediatamente ladeira abaixo. Existe uma técnica psicológica, já muito falada, que nos ajuda a lidar com esses gatilhos ou reações emocionais imediatas (raiva, ansiedade, solidão, rejeição, pânico), que é a programação neurolinguística (PNL). Dêem uma olhada em textos e livros que abordam esse assunto. O escritor e palestrante americano Tony Robbins é fantástico e especialista nessas técnicas, que utilizam o poder de nossa mente e a programação de gatilhos positivos ao nosso favor, através de recursos de comunicação interna e externa ao indivíduo. No Netflix você encontra o documentário maravilhoso “Eu não sou seu guru”, ou se você for mais da leitura, um livro de título “Desperte o gigante interior”, ambos de Tony Robbins. Ainda no YouTube, existem exercícios de PNL em português, basta tentar e escutar.
 
Enquanto não aprendemos a projetar nossas mentes aos recursos positivos, continuamos em vidas mornas, criticando o outro, culpando a política, cavando buracos profundos, procurando aventuras extra conjugais, quando poderíamos estar projetando nossa mente para nos re-apaixonarmos dentro de nossos próprios casamentos, e termos uma vida de entusiasmo e alegrias. Enquanto não equilibramos nossa inteligência emocional, nosso dia acaba sendo como um campo minado. Saímos de manhã nos sentindo bem, um bom-humor e entusiasmos raros e que duram 5 minutos. E ainda culpamos o primeiro que passou a nossa frente em ter arruinado nosso humor, ao invés de percebermos que nós mesmos precisamos trabalhar para não sermos vitimas de gatilhos auditivos, físicos ou até em pensamento. Qualquer olhar esquisito de um amigo estranho pode mudar nosso humor, qualquer atraso do ônibus, alguém que atravessa nossa frente quando vamos passar por uma porta, um motorista lento em nossa frente, um amigo que não está interessado no que estamos dizendo, um colega com uma expressão facial de ironia ou sarcasmo, ou até mesmo um farol vermelho, que independa de qualquer reação humana a que possamos culpar. Acredite, os gatilhos estão dentro de você, e não no outro. Então o que precisamos fazer é uma analise para dentro de nós, encontrarmos esses gatilhos comuns, e desarmarmos eles, antes de encontrá-los novamente nas situações corriqueiras de nossas vidas. E essas técnicas de PNL podem ajudar. Reconhecer que você reagiu a um botão automático é muito importante para que volte a conduzir as jogadas de sua vida. Mesmo que ainda se sinta ferido ou que o gatilho ainda seja disparando, você ao reconhecer que é apenas uma âncora, já tira o poder dele e do humor. Afinal, você está se aceitando e cuidando de suas fragilidades, e não se julgando fraco ou temperamental, criatura com genes errados, e com influencia de pais “cruéis”. Você não está com defeito. Você simplesmente desenvolveu um gatilho negativo, e precisa cuidar dele. 
 
Vivemos em um mundo capitalista, competitivo, em que damos muita importância ao que os outros pensam de nós, em que perdemos muito tempo em redes sociais, em que apontamos o dedo para ferirmos e culparmos o outro, acreditando que isso possa nos isolar e bloquear nossas vulnerabilidades, é um mundo de bullying, de individualidade, de relações humanas e casamentos descartáveis, de super exposição, de trabalho a ritmos frenéticos, de cobranças de multitarefas em que desde cedo colocamos nossos filhos no maior número de atividades, que crescem com consequências de deficit de atenção, obesidade e hiperatividade, de preconceito, de julgamento, rótulos e crenças separatistas. Quem disse que trabalhar mais, significa trabalhar melhor? Somos movidos por forças capitalistas que nos afastam de nossos reais propósitos, de nossa luz, de nossa felicidade. Passamos a vida encobertos na sombra de nossos medos, e de imposições sociais.
 
E o que mais pode nos ajudar, não só com gatilhos negativos, mas em aceitarmos as condições da vida, é o amor. A vida é sobre estamos perto de pessoas que amamos, de cuidarmos delas e de nos entregarmos aos seus cuidados. Sem expectativa, sem armadilhas que te levam a auto punição. Deixar de nos escondermos nas sombras, e nos permitirmos viver na luz, está em aceitar que merecemos ser felizes, que podemos ser amados, e nos amarmos em primeiro lugar. É nos permitirmos nos desafiar, é não se importar com o que o outro pensa, ou promover um ambiente de desconfiança àqueles que estão às nossas voltas. É respeito e foco no que é importante para uma vida sustentável, com hábitos saudáveis, a longo prazo; tirando o foco apenas do que é mais urgente. 
 
De nada adianta eu estar num templo budista no Butão, onde monges, idosos e crianças de pouca renda riem mais do que a média dos outros lugares do mundo, se não estivermos com quem amamos, se estivermos com nosso coração cheio de auto crítica e punição. É preciso ter qualidade de vida, contato com a natureza, e muito amor. Se você jogar no google “qual o país mais feliz do mundo”, você encontrará países como Noruega e a Dinamarca. Por serem países frios, em que as pessoas ficam boas partes do ano reclusas, era de se esperar que fossem ao contrário, um dos que tivessem maiores índices de suicídio, o que não é verdade. A depressão e suicídio estão mais presentes em países como o Japão e a Bielorussia, onde o desequilíbrio emocional é maior, estatisticamente. E os fatores que levam a Noruega a liderar esse ranking de felicidade e os 5 milhões de habitantes rirem a toa é a natureza selvagem estonteante que se tem por lá, a liderança do país há mais de uma década no índice de desenvolvimento humano, no aumento do nível educacional de seus habitantes e na expectativa de vida que chega a 81 anos, além de suas jornadas de trabalhos mais curtas (com apenas 33 horas por semana), a licença maternidade mais longa do mundo (quase 1 ano), devido a mais da metade dos habitantes fazerem trabalhos voluntários, e ainda, pela consciência de preservação ambiental do país, que tem hoje quase 50% de consumo de energia vindo de fontes renováveis. 
 
Precisamos nos abrir a novos conceitos, procurarmos alternativas que nos tirem de nossas zonas de conforto. Nos permitirmos ouvir mais a opinião do outro, sem criarmos separação. A perceber a importância de fazermos o bem aos outros, o que muitas vezes gera mais felicidade do que fazermos bem a nós mesmos. E a entender que é importante guardarmos tempo a quem amamos, a interagirmos com a natureza, e a preservarmos nosso planeta com recursos sustentáveis. Trabalharmos menos e melhor. Aprendermos o que temos vontade com maior eficácia. Precisamos olhar para dentro de nós mesmos e nos percebermos, nos aceitarmos, e sermos responsáveis por nossas escolhas e sofrimentos.E não termos medo de nossas sombras. 
O futuro do nosso planeta está em nossas mãos!
 
CAMILA CHAGAS